Logo
LogoInícioPor profissionaisQuem é Wefight ?
Brasil
Português
Ver todos os artigos

“Falar sobre minha asma mudou minha vida”

PERFIL

Por: Vik

Há cerca de 2 meses

“Sempre convivi com asma, mas não fiz meu tratamento inicial porque não acreditava nele. Eu só usava meu tratamento de crise para gerenciar os sintomas, até recentemente. Falei sobre minha asma com Vik para este depoimento. Enquanto conversava, percebi que minha asma não estava bem gerenciada, entendi que minha situação não era normal. Então fui ver meu pneumologista.

Eu sempre pensei que viver sem asma tinha que ser incrível.  

Sempre tive asma, pelo que me lembro sempre tive dificuldade para respirar. Resumidamente, meus ataques de asma variam de chiado a parar de respirar. Neste caso, devo ser hospitalizado diretamente. Na minha infância tive que ir ao pronto-socorro três ou quatro vezes no meio da noite por causa da minha asma. Desde que conheci Vik, tenho usado meu tratamento de uma maneira mais profunda. Antes, um ataque poderia acontecer assim que eu subisse escadas, na presença de ácaros ou alérgenos. Eu poderia ter convulsões em todas as estações, mas elas eram mais fortes na primavera. O fator mais importante na minha asma é a região. Cresci na Borgonha, tive crises mais frequentes e fortes lá. Como moro no sul da França, minha asma é menos grave.  

Me prescreveram um tratamento de longo prazo mas nunca tomei, admito que não era um “bom paciente”. Parecia que não estava funcionando, mesmo quando eu tomava (na verdade, eu não tomava regularmente nem por muito tempo). Eu tinha uma dúvida sobre a ciência médica, não vi um resultado rápido do tratamento de base (o que é normal, mas eu não sabia)... e me apegava somente ao tratamento de crise. Tomei muito, e mais e mais medicamentos ao longo dos anos, especialmente depois que me tornei “responsável por mim mesmo”. Eu poderia precisar deles cerca de dez vezes por dia, especialmente à noite. O tratamento da crise foi eficaz imediatamente, e eu tinha dúvidas sobre a eficácia do tratamento de base. Como o Ventolin funcionou, não tive motivos para mudar o método. O tratamento de crise era mais acessível para mim do que o tratamento básico. Se eu tivesse certeza que funcionava, eu teria tentado. O tratamento básico requer ir ao médico regularmente e eu não queria dedicar esse tempo. Então eu nunca ia ver meu médico por causa da minha asma.

Com este método eu estava indo muito bem, desde que eu tivesse Ventolin comigo. Eu corria com uma ventolina na mão, sempre tinha uma embaixo da almofada, tomava duas a três vezes por noite... Infelizmente sempre perco minhas coisas. Algumas semanas atrás eu esqueci o medicamento, eu não tinha nenhum, então me estressei a noite toda por ter um ataque de asma. Em geral, eu precisava sempre ter cinco broncodilatadores de crise ao meu redor, apenas por precaução. Eu sempre tive que verificar se eles estavam cheios. E, obviamente, passei meu tempo pedindo esse tratamento sem receita... Não sabia que esse tratamento da minha asma poderia se tornar perigoso. Hoje, sei que usar seu tratamento de crise mais de duas vezes por semana é sinal de que a doença não está bem controlada. 

Quando eu estava controlando minha asma apenas com meu tratamento de ataque, o mais difícil era a organização, a carga mental, o medo de ter um inalador vazio. Se isso acontecesse, eu não poderia levar na brincadeira. Eu deveria ter cuidado com as penas nas almofadas, alergias (poeira e animais de estimação), fuligem nas chaminés, carpetes... Tudo isso poderia me impedir de respirar. 

Não tinha tempo de ir ao médico, trabalhava o tempo todo, estava sempre com pressa e escolhi a solução mais direta e rápida.

Meus parentes às vezes ficavam irritados com meu tratamento da asma. Eles estão acostumados comigo procurando meu remédio a cada trinta segundos. Alguns cuidam disso para mim, meu cônjuge sempre o carrega.  

Em nenhum momento fiquei completamente bem, só houveram momentos piores que outros. Quando foi muito difícil, eu estava seriamente sem ar, e precisava sair, me acalmar, respirar.

Para mim, asma era a identidade com a doença, não tinha o que fazer. Sou fumante, às vezes parei e não vi diferença na minha doença. Eu sempre me conheci assim, então não conseguia ver como poderia ser de outra forma. Era parte de mim, um pouco como uma fatalidade. 

Graças a esta entrevista, percebi que não estava fazendo como os outros 

Gerenciar minha asma era uma das muitas coisas que eu tinha que fazer, mas eu estava sempre com pressa.

E então, um dia, Vik me contatou para escrever este testemunho e compartilhar minha história. Então eu contei tudo isso para ele, e na discussão percebi que minha forma de controlar minha asma não era normal. Compreendi que não estava fazendo a coisa certa e que minha asma não deveria me prejudicar tanto. Concretamente, não era nada controlado. Então marquei uma consulta com meu médico, ele me receitou um tratamento de base adequado, que eu uso corretamente. E aí está o milagre. 

Respiro normalmente, durmo bem, não tenho mais medo de sufocar, minha mente está muito mais livre. Falar sobre minha asma mudou minha vida.

Se eu puder compartilhar um conselho: não administre sua asma como eu tinha feito por tanto tempo. Vá ao seu médico rapidamente, e verifique sua asma regularmente. E, acima de tudo, fale sobre isso. Não é normal usar seu tratamento de crise todos os dias.”

Alexine é uma empresária de tatuagem em Montpellier. Ela compartilha sua história com a asma e como ela saiu da perambulação terapêutica, para ajudar outros pacientes.

Todos os artigos

ACONSELHAMENTO

Como controlar a fadiga através da atividade física?

A fadiga é o sintoma mais comum experimentado pelos pacientes. Felizmente, existem soluções para melhor conviver com ela, nomeadamente a prática regular de uma atividade física adequada.

ACONSELHAMENTO

5 coisas que você não sabia sobre o Vik!

Vik répond à tes questions sur ta pathologie 24h/7j grâce à l'intelligence artificielle

Você sabia que o Vik é uma inteligência artificial que funciona por meio de profissionais de saúde e pacientes?

ACONSELHAMENTO

“Você olhou para mim, eu não pareço nada com essa doença”

As patologias crônicas em alguns casos têm repercussões físicas mais ou menos visíveis. Elas também podem impactar a autoimagem e a forma como o paciente se vê.

ACONSELHAMENTO

4 dicas para controlar seu peso com uma doença crônica

Certas doenças têm uma grande influência no ganho ou perda de peso. Então, para gerenciar melhor seu peso com sua doença crônica, aqui estão minhas 4 dicas!

ACONSELHAMENTO

Cultive o relacionamento com seu médico

O anúncio do seu diagnóstico é um momento entre você e seu médico, o nascimento de um novo relacionamento. Estabelece-se uma relação de ajuda mútua para a realização do cuidado que você precisa.

ACONSELHAMENTO

Como se preparar para uma viagem tendo uma doença?

Se estou doente ou saudável, viajar sempre foi minha prioridade. Vivendo com eczema (e asma), deixei um pouco “da minha pele” em diferentes lugares: Sicília, Malta, Costa Rica, Espanha, Holanda.